20/09/2017 às 11:19h
Furacão Maria segue rota de destruição no Caribe

O furacão Maria, segunda tempestade com ventos superiores a 250 km/h a atingir o Caribe neste mês, chegou a Porto Rico nesta quarta-feira (20), ameaçando causar destruição no território insular americano e forçar o governo a reconstruir dezenas de comunidades.

A tempestade já assolou a ilha caribenha de Saint Croix nesta quarta-feira, matou pelo menos duas pessoas em Guadalupe e devastou a pequena nação montanhosa de Dominica.

O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos prevê que o Maria será o furacão mais forte a atingir Porto Rico em quase 90 anos, classificado como categoria 4 ou categoria 5 . A previsão era de fortes tempestades por um período de 12 a 24 horas, à medida que o Maria se dirigia à ilha com ventos de cerca de 260 quilômetros por hora, ameaçando 3,4 milhões de porto-riquenhos.

A expectativa é de que o Maria leve até 63,5 centímetros de chuva a certas partes da ilha e provoque maré de tempestade, quando a água do mar é pressionada por furacões acima dos níveis normais, de até 2,74 metros. Com as chuvas, há também o risco de deslizamentos e enchentes relâmpago. Cerca de 150 voos haviam sido cancelados no principal aeroporto internacional de Porto Rico, segundo informações na manhã desta quarta-feira.

Após cruzar Porto Rico nesta quarta, o furacão deve passar pela costa nordeste da República Dominicana. Ainda não se sabe se a parte continental dos EUA também está ameaçada.

"Será um fenômeno extremamente violento”, disse o governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló. "Não passamos por um evento dessa magnitude na nossa história moderna.” O governo disponibilizou 500 abrigos em toda a ilha.

O presidente dos EUA, Donald Trump, manifestou solidariedade pelo Twitter: "Sejam cuidadosos, nossos corações estão com vocês – e estaremos lá para ajudar!”

O Maria vem na sequência do Irma, que teve ventos de 300 quilômetros por hora e matou 38 pessoas na região caribenha e outras 36 nos Estados Unidos no início do mês.

Danos em Saint Croix, Guadeloupe e Dominica

Ventos cortam a cidade costeira de Fajardo com a aproximação do furacão Maria de Porto Rico© Getty Images/AFP/R. Arduengo Ventos cortam a cidade costeira de Fajardo com a aproximação do furacão Maria de Porto Rico

A passagem do furacão por Saint Croix, que abriga cerca de metade dos 103 mil moradores das Ilhas Virgens Americanas, fez dele a pior tempestade a atingir a ilha desde Hugo, furacão de categoria 4, em 1989.

O governador das Ilhas Virgens Americanas, Kenneth Mapp, alertou as pessoas de que suas vidas corriam perigo. "Você perde sua vida no momento em que começa a pensar em como salvar algum dinheiro para evitar que algo seja destruído, queimado, ou despedaçado”, disse. "Tudo que importa é a segurança de sua família, de suas crianças, e de você mesmo. O resto das coisas, esqueça.”

Em Dominica, árvores caíram, casas foram danificadas e ruas inundadas. "Perdemos tudo que se pode comprar e substituir com dinheiro”, escreveu o primeiro-ministro Roosevelt Skerrit, no Facebook. Em Guadalupe, onde pelo menos duas pessoas morreram, outras duas ainda estavam desaparecidas após um naufrágio, de acordo com a mídia francesa.

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2017 - Publicidade Nova Visão - CNPJ 07.296.611/0001-78. Jornalista responsável Jose Paulo Batista DRT MT- 000273 - Solange Priscila DRT MT- 002121