05/12/2017 às 07:26h
Gilmar pede mais tempo e suspende julgamento de recurso de Wesley
Folhapress

O ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), pediu vista (mais tempo para analisar o caso) e suspendeu nesta terça-feira (5) o julgamento do recurso contra a prisão preventiva de Wesley Batista, um dos donos da JBS. O executivo continuará preso.

O empresário foi preso em 13 de setembro por ordem do juiz João Gonçalves, de São Paulo, pela prática de 'insider trading'.

+ 'Não fiquem com essa bobagem de que não vou ser candidato', diz Lula

Documentos apresentados pela JBS à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) mostram que pessoas ligadas aos Batista venderam R$ 200 milhões em ações da empresa alguns dias antes da divulgação do acordo com a PGR, em 17 de maio deste ano.

Irmão e sócio de Joesley Batista, Wesley foi um dos delatores do esquema de corrupção que resultou na investigação e na denúncia do presidente Michel Temer.

Os irmãos foram denunciados e viraram réus, acusados pelos crimes de uso de informação privilegiada e manipulação de mercado.

A defesa de Wesley sustentou que ele não poderia ter sido preso por determinação de juiz de São Paulo, mas apenas do STF, já que o acordo de delação foi homologado pelo ministro Fachin. Joesley foi preso dias antes por ordem do magistrado.

Fachin, no entanto, votou por manter a prisão e disse que os benefícios de pena oferecidos em um acordo de delação premiada não cobrem eventuais outros crimes cometidos pelo colaborador; Wesley e Joesley conseguiram o benefício da imunidade penal, mas para os crimes relatados por eles -não foi o caso da suposta prática de 'insider trading', que teria ocorrido depois que a delação foi fechada.

"Não me parece que procede a tese segundo a qual quaisquer crimes praticados antes, durante ou depois do acordo [de delação] estariam submetidos à ausência de pena", afirmou.

O ministro Dias Toffoli seguiu o voto de Fachin.

Não há data para o julgamento ser retomado. Além de Gilmar devem votar também os ministros Ricardo Lewandowski e Celso de Mello, que integram a segunda turma do STF, na qual o caso está sendo analisado. Com informações da Folhapress. 

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2017 - Publicidade Nova Visão - CNPJ 07.296.611/0001-78. Jornalista responsável Jose Paulo Batista DRT MT- 000273 - Solange Priscila DRT MT- 002121