23/01/2020 às 11:09h
Saiba quem é Jane Silva, a pastora escolhida por Regina Duarte
a 'número 2' da cultura

Em dezembro de 2018, a atriz Regina Duarte postou uma foto em seu Instagram que repercutiu nos sites especializados em cobertura da vida de celebridades. Na foto, ela aparece de maiô no Mar Morto. O registro foi feito durante uma viagem à Israel, organizada pela reverenda Jane Silva – que, nessa quinta-feira, foi indicada pela própria atriz para ocupar temporariamente o cargo de secretária adjunta da Secretaria Especial de Cultura. A reverenda é a atual secretária de Diversidade Cultural da pasta e ocupará o novo cargo até que haja uma definição sobre a nomeação de Regina Duarte.

A relação de Regina Duarte e de Jane Silva fortaleceu-se durante essa viagem à Israel. Na ocasião, a reverenda entregou a medalha de “embaixadora da paz” à atriz. É possível que Regina tenha sido “iniciada” no meio conservador e religioso por Andre Duarte Franco, de 49 anos, seu filho mais velho – que tem proximidade com lideranças do movimento de direita Nas Ruas, do qual faz parte a deputada Carla Zambelli. Aliás, na mesma viagem, a deputada também recebeu essa mesma homenagem.

A atuação da mineira Jane Silva em defesa de Israel tem início nos anos 90. Em uma série de entrevistas, ela declarou ter morado dois anos em Israel e lá estudado e se aprofundado em assuntos bíblicos. Por conta desses estudos, ela teria transformado-se em uma referência no tema e palestrante em igrejas do País”. Paralelamente, ela se dedicava a organizar viagens de turismo para Israel. Ela também é presidente da Associação Cristã de Homens e Mulheres de Negócios e da Comunidade Internacional Brasil & Israel. Por dois anos, atuou como presidente da International Christian Embassy Jerusalem no Estado de Minas Gerais.

A militância política da reverenda, pelo menos de forma mais público, começa nas eleições de 2014 – quando faz campanha aberta contra Dilma Rousseff e a favor do então candidato tucano Aécio Neves. No Twitter, Jane escrevia mensagens como “sou mineira, sou 45”. A partir de 2015, ela entra de cabeça na campanha pela prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Em um vídeo do YouTube, Jane acusa o governo Lula de construir a embaixada da Palestina no Brasil e financiar o terrorismo no País.

Foi a promessa de transferência da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém que despertou o bolsonarismo na reverenda Jane. A partir dessa promessa, ela se transformou em uma forte aliada do presidente. Em agosto de 2018, ela foi protagonista de um ato pró-Bolsonaro na comemoração dos 70 anos de Israel, que foi realizado na Igreja Batista da Lagoinha – a mesma igreja da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. A partir daí, ela também teria se aproximado do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) – principalmente por conta da promessa de mudança da embaixada em Israel.

Jane foi nomeada no fim de novembro do ano passado pelo então secretario Roberto Alvim. A primeira ideia da reverenda no cargo era a de conversar com artistas e cantores para resgatar o romantismo entre homens e mulheres e os valores da família e do casamento. Até o vídeo com citações nazistas que derrubou Alvim, Jane dizia que o secretário estava resgatando a imagem do Brasil no exterior.

Depois de demitido, Alvim não apareceu mais nas postagem de Jane – apenas textos reafirmando a ligação dela com Israel e o povo judeu. No último dia 20, ela postaria uma foto com Regina Duarte em seu Facebook: “Como Secretária da Diversidade Cultural dou maior apoio para Regina Duarte aceitar o convite do JB (Jair Bolsonaro).

Três dias depois, Jane se transformaria em secretária adjunta da Secretaria Especial de Cultura. Entre seus ídolos, figura o presidente americano Donald Trump.

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2020 - SOLANGE PRISCILA DE SOUZA - CNPJ: 15.349.563/0001-67. Jornalista responsável Solange Priscila DRT MT- 002121